Inquérito 
Responda ao nosso inquérito!

Astronomia em Crescente 2007


lua_cres.jpgO NUCLIO-Núcleo Interactivo de Astronomia, com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, promove mensalmente a "Astronomia em Crescente". Esta actividade, que normalmente decorre no Sábado próximo da fase de Quarto-Crescente da Lua, é constituída por uma apresentação sobre um tema astronómico e, caso as condições meteorológicas o permitam, por uma sessão de observação nocturna com telescópios.

Em 2007, as datas e temas da "Astronomia em Crescente" serão:

27 de Janeiro - "Uma relíquia do Big-Bang :O Fundo da Radiação Cósmica, Prémio Nobel da Física 2006", por Domingos Barbosa (Centra-IST)

24 de Fevereiro - "Planetas e Planetas Anões", por José Saraiva (IST)

24 de Março - "Caos e equilíbrio no Sistema Solar", por Alexandre Correia (UA)

28 de Abril - "Do Big Bang às Estrelas", por Rosa Doran (NUCLIO)

26 de Maio - "Vida no Universo e Argumentos Antrópicos", por Orfeu Bertolami (IST)

30 Junho - " O ano do Sol", por Dalmiro Maia (CICGE)

22 Setembro - "Desforra de Ícaro - 50 Anos de Conquista Espacial", por Rui Barbosa (Boletim Em Órbita)

20 Outubro - "Missões Espaciais - Passado, Presente e Futuro", por José Saraiva (IST)

24 Novembro - "O Espaço visto de Portugal", por Bruno Ramos de Carvalho (Active Space Technologies) "Fazer ciência na sala de aula", por Rosa Doran (NUCLIO)

15 Dezembro - "A nossa galáxia e as outras: ilhas no Universo", por Catarina Lobo (CAUP)

A actividade tem inicio às 21:30 no Centro de Interpretação Ambiental da Ponta do Sal, na Estrada Marginal, São Pedro do Estoril.

Mais informações pelos telefones 214643670 ou 960356909.

Ponta do Sal.jpg


Resumos

Uma relíquia do Big-Bang: O Fundo da Radiação Cósmica, Prémio Nobel da Física 2006
Domingos Barbosa (CENTRA-IST)

O Fundo de Radiação Cósmica em Microondas é o fóssil mais antigo da
história do Universo até agora explorado. Com cerca de 400 fotões por cm3, tem as mesmas propriedades em todas as direcções. Tem gravado as sementes das grandes estruturas que hoje existem no Universo, pela primeira vez cartografadas em 1992 pelo satélite COBE (Cosmic Background Explorer) da NASA, descobertas merecedoras do prémio Nobel da Física em 2006. Com o COBE apareceu um nova ciência de precisão : a Cosmologia.




Planetas e Planetas Anões
José Saraiva (IST)

Ainda não assentou a poeira sobre a aprovação, pela Assembleia-Geral da
União Astronómica Internacional (IAU), da definição de planeta. A
contestação organiza-se, a discórdia impera... algumas vozes mais
lúcidas apontam a futilidade da discussão, mas quase ninguém as escuta.

Afinal, o Sistema Solar perdeu um planeta? Ou, no caso de Plutão, nunca
o devia ter tido? E como foi com Úrano, Neptuno... e Ceres? E Eris,
ex-Xena? E o que se passa pelo Universo fora? Vamos tentar encontrar as
respostas a estas questões, olhando para a história da progressiva
descoberta do Sistema Solar e do Universo a partir do mundo a que também
chamamos planeta.




Caos e equilíbrio no Sistema Solar
Alexandre Correia (UA)

Todos os corpos celestes exercem perturbações uns sobre os outros. Mesmo por mais pequenas que estas sejam ao longo de milhares de milhões de anos, elas podem contribuir para mudar drasticamente os equilíbrios existentes actualmente. Por exemplo, num futuro distante Mercúrio pode chocar com Vénus, ou o eixo da Terra pode ficar inclinado mais de 60 graus, provocando dias e noites com mais de 100 dias! Porém nem tudo são más noticias, pois dentro da desordem há sempre alguma ordem...




Vida no Universo e Argumentos Antrópicos
Orfeu Bertolami (IST)

Nesta palestra nós discutiremos o problema do surgimento da vida na Terra e a sua relação com o desenvolvimento do Cosmos. Particular atenção será dispensada à discussão dos chamados Princípios Antrópicos, segundo os quais as leis da física parecem ter sido ajustadas de modo a serem compatíveis com o aparecimento da vida. Salientamos, que os aspectos mais importantes desta apresentação são discutidos no capítulo 5 do Livro das Escolhas Cósmicas da autoria do palestrante.




O ano do Sol
Dalmiro Maia (CICGE)

O Sol emite continuamente um fluxo de partículas, o chamado vento solar. Esse gás electrificado carrega consigo campos magnéticos e talha um volume, a Heliosfera, no meio interestelar local. Nas últimas dezenas de anos, sondas espaciais lançadas pelos seres humanos investigaram em detalhe várias regiões desse domínio gerado pelo vento solar, e a sua interacção com os sistemas planetários. Assim, na vizinhança da Terra sabemos que perturbações nas propriedades do vento solar são responsáveis pelas espectaculares auroras, que são também vistas noutros sistemas planetários, nomeadamente em Júpiter e Saturno. Mas o nosso conhecimento da heliosfera vai muito mais além, as sondas Voyager estudam nesse momento o que se passa muito para além da órbita de Plutão, e uma delas atravessou mesmo uma das primeiras estruturas que define a heliosfera: o choque da terminação. Nesta palestra iremos fazer um apanhado dos conhecimentos actuais sobre a heliosfera, desde o seu nascimento na coroa solar até à sua fronteira no meio interestelar.




Desforra de Ícaro - 50 Anos de Conquista Espacial
Rui Barbosa (Boletim Em Órbita)

Quando Nikita Khruschev atendeu mais um telefonema de Baikonur e recebeu a notícia de que o primeiro satélite artificial da Terra se encontrava em órbita, acabou por não dar muita importância e foi-se deitar. Porém, não fazia ideia das réplicas que o acontecimento começava a ter não só no Ocidente como na própria União Soviética.

Cinquenta anos mais tarde há muito que o Sputnik desapareceu dos céus, mas a Humanidade finalmente saiu do seu berço e começou a sua infinita caminhada pelo Cosmos. Alcançamos a órbita da Terra e depois a Lua, Marte, Vénus, Mercúrio, os gigantes gasosos... Um caminho de glória, mas também com as suas tragédias... Um caminho para o infinito do qual já não sairemos...

Na "Desforra de Ícaro - 50 Anos de Conquista Espacial" iremos ver como a Humanidade deu os seus primeiros passos no Cosmos e relembrar alguns marcos importantes na nossa história espacial.




Missões Espaciais - Passado, Presente e Futuro
José Saraiva (IST)

Neste ano em que se celebram 30 anos do lançamento da Voyager 2, uma das poucas sondas que atingiram os limites do Sistema Solar e os 50 anos do lançamento do primeiro satélite artificial, o Sputnik, vamos fazer uma breve viagem pelo passado, presente e futuro das missões espaciais de exploração do Sistema Solar.




O Espaço visto de Portugal
Bruno Ramos de Carvalho (Active Space Technologies)

A corrida espacial chegou a Portugal com a adesão à Agência Espacial Europeia no ano 2000. Um mercado aberto a novas oportunidades de negócio neste sector emergente, que permite Portugal acompanhar e contribuir para a evolução espacial a nível mundial.

A Active Space Technologies é uma das empresas nacionais que agarrou o desafio de explorar o sector espacial. Nascendo de um spin off da Agência Espacial Europeia, tem vindo a criar o seu próprio "espaço" no sector espacial europeu. Os recursos humanos e a inovação são os vectores estratégicos que têm garantido o reconhecimento dos parceiros europeus num mercado de difícil acesso.




A nossa galáxia e as outras: ilhas no Universo
Catarina Lobo (CAUP)

Podemos passar toda a nossa vida sem sabermos o que é uma galáxia. Mas, de facto, vivemos numa: a Terra, o Sol, e tudo o que conhecemos fazem parte da nossa galáxia, a Via Láctea. E, apesar de quase inacreditável, ela é apenas uma entre as cerca de cem mil milhões de galáxias que se estima existirem no Universo observável! Nesta palestra faremos uma visita pelos diferentes tipos de galáxias que existem, veremos como são constituídas, como se formaram e como evoluem ao longo das suas vidas.

Não é incomum que este – e outros temas astronómicos – exerçam um certo fascínio, sobretudo junto dos mais jovens. Por isso, e pelo seu carácter interdisciplinar, a Astronomia entrou recentemente nos currículos do Ensino Básico e Secundário, servindo de mote ao estudo de temas da Química, Física, e podendo ainda ser motivadora para a introdução de conceitos matemáticos. No final da palestra, falarei brevemente sobre formação de professores na área da Astronomia.